3 de jan de 2007

Emílio é o novo líder do PT

Em 2007 a liderança da Bancada do Partido dos Trabalhadores (PT) na Câmara Municipal de Canoas é exercida pelo vereador Emílio Neto.
Emílio foi o líder da bancada em 2005, Nelsinho em 2006.

Nova Mesa Diretora e Comissões Permanentes

Foi eleita nesse dia 1º de janeiro a nova Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas. O mandato é para 2007 e 2008 mais existem comentários sobre um acordo de renovação que ocorrerá no próximo ano.
Emílio Neto, líder do PT, anunciou que ingressará com ação judicial visando garantir o cumprimento do artigo 58 da Constituição Federal e do artigo 15 da Lei Orgânica Municipal, que garantem a proporcionalidade partidária tanto na Mesa Diretora quanto nas Comissões Permanentes. Na Mesa Diretora, por exemplo, são cinco cargos (Presidente, 1º Vice, 2º Vice, 1º Secretário, 2º Secretário) e na Câmara são cinco partidos com representação (PT, PSDB, PDT, PTB e PMDB), no entanto apenas quatro partidos compõem a Mesa, ficando de fora apenas o PT.
Esta é a composição da Mesa:
Presidente: Alcy Paulo de Oliveira, o Cica (PDT);
1º Vice-presidente: Nedy de Vargas Marques (PTB);
2º Vice-presidente: José Carlos Patrício (PSDB);
1º Secretário: Aloísio Bamberg (PSDB);
2º Secretário: Josir Bernardes Prestes, o Pateta (PMDB).

Conta de água poderá vir com 50% de taxa de esgoto

No dia 28/12 passado, no finalzinho do ano, a Câmara Municipal aprovou em sessão extraordinário o projeto de lei que garantiu a retomada do esgoto pela prefeitura municipal. A idéia originou-se num acordo firmado entre a prefeitura, o ministério público e a corsan.
Diante do fato, os canoenses pagarão já em 2007 cinqüenta por cento de taxa de esgoto sobre a tarifa básica de água. A taxa apesar de ser recolhida para a prefeitura virá na conta de água da corsan.
Durante a sessão, diversos funcionários da corsan estiveram presentes na galeria da casa, inclusive representantes do Sindiágua.
O projeto dividiu a base governista e era evidente nos momentos de recesso diversas conversas tentando fazer com que membros da base revessem posições.
O projeto foi aprovado por oito votos a seis. Votaram contrários à proposta os vereadores petistas Emílio Neto e Nelsinho Metalúrgico, o pedetista Juares Hoy, o petebista Ricardo Maciel, os tucanos Patrício e Airton de Souza. Favoráveis votaram os vereadores pedetistas Walmor Hermann e Cica, os tucanos Laércio Fernandes, Bamberg e Adão Santos, os peemedebistas Pateta e Xirú, e, o petebista Betinho do Cartório.
Para os vereadores petistas a matéria é passível de ação judicial pois trata de matéria tributária, necessitando de ampla divulgação, inclusive através de audiência pública.